17
mar
2016
História preciosa e de sucesso

 

foto4_frattina

Quando Nelson Waisman decidiu abrir uma pequena joalheira no centro de São Paulo, em 1943, ele jamais poderia imaginar que aquele pequeno negócio, anos depois, se transformaria em uma das mais renomadas lojas de joias do país: a Frattina.

 A história de Nelson e de sua família é contada nas páginas desse livro que a Arte Ensaio editou a convite da joalheria. Escrita pelo jornalista Celso de Campos Jr, a publicação faz uma retrospectiva minuciosa dos 70 anos da marca, desde os tempos da singela loja na região da Praça da Sé até a recente inauguração da flagship store na Oscar Freire.

Fotos de época e outras mais atuais, belíssimas imagens das  joias mais icônicas da Frattina, depoimentos de personalidades que, por serem clientes fieis, fazem parte da história da marca – Faustão, Toquinho, Marília Gabriela, Luciano Huck, Angélica, entre outros –  também compõem as páginas dessa obra que foi distribuída para clientes, amigos e parceiros da joalheria.

Confira abaixo algumas imagens que fazem parte do livro:

foto1_frattina

A história da Frattina começa em 1943, no centro de São Paulo. O lugar escolhido para receber a primeira loja,
que levava o nome de Brasília de Jóias, foi a região da Praça da Sé

foto3_frattina

No decorrer dos anos, a joalheria ficou famosa por comercializar as mais importantes marcas de relógio do mundo

foto2_frattina

Nelson Waisman ( à direita ) caminhando ao lado de seu ourives no Centro de São Paulo, em 1950

miolo_Frattina_pag64-2Uma das joias que fizeram a história da Frattina -- e, certamente, de suas clientes